Publicado em crianças, Educação, familia, férias

Férias de sonho com crianças

img_5742.jpgVerão é sinónimo de momentos agradáveis em família!

Se por uma lado as férias podem ser memoráveis, também é bem verdade que, por alguns descuidos, podem tornar-se num autêntico pesadelo.

Mais tempo em família requer um acréscimo de cuidados ao nível das rotinas, que ajudam a garantir que tudo correrá como planeado. Aproveito para partilhar recomendações úteis, que postas em prática, permitem desfrutar as tão desejadas férias.

Viagens

  • Levar a documentação da criança (CC e boletim de saúde), em bolsa própria e tê-la em local acessível;
  • Organize um estojo de primeiros socorros, que inclua medicação, pomadas SOS e repelente. Não esquecer medicação regular;
  • Se a criança enjoar, não oferecer lacticínios, líquidos ou comidas pesadas nas horas que antecedem a viagem. Também será importante ter o kit enjoo sempre à mão (saco, toalhetes, muda de roupa);
  • Para viagens pela Europa, recomendo fazer o Cartão Europeu de Seguro de Doença, que possibilitará assistência médica;
  • Levar sempre um boneco ou brinquedo preferido, pois ajudam a tranquilizar em horas de crise. Os livros também são bons companheiros em momentos de espera e de lazer;
  • Usar equipamentos electrónicos com moderação. O ideal será nem incluir na bagagem (ups…há pais esquecidos!).

Alimentação

  • Por norma esta é uma área que nem sempre é valorizada, mas de grande importância para uns dias fora de casa, ou mesmo fora do País. Estar fora de casa implica alteração da ementa regular. Grandes alterações podem desencadear uma simples diarreia a algo mais complexo, como uma gastroenterite;
  • Opte por produtos frescos e confeccionados na hora;
  • Evite alimentos sensíveis à alteração da temperatura;
  • Prefira água engarrafada e não use gelo sem ter a certeza de como foi preparado;
  • Transporte lanches em mala térmica e devidamente acondicionados.

Sono

  • Mesmo em férias não é recomendo existirem grandes mudanças na rotina do sono. Quanto mais pequena é a criança menor deverá ser a variação nos horários.  Alterações muito díspares podem pôr em causa a rotina construída em meses ou anos. O importante é ter esta consciência e ajustar os horários  tendo em conta o perfil e necessidades da criança.

Vestuário e calçado

  • 100% confortável, prático e deve proteger o corpo do calor/frio. A moda é linda, mas não há pior que uma criança incomodada e desconfortável!

Na praia/piscina

  •  Aplicar protetor solar cerca de trinta minutos antes de chegar à praia, à piscina ou se for passear em zonas expostas ao sol. Deve ser aplicado de duas em duas horas ou após o banho, mesmo que o protetor seja à prova de água;
  • Usar chapéu, óculos e t-shirt opaca aos raios UV;
  • Mil olhos com os mais pequenos perto da água. Aconselho a utilização de colete salva-vidas ou braçadeiras. O uso de bóias não é recomendado;
  • Para retirar a areia da pele usar pó de talco (é só espalhar e já está!).
  • Ter sempre à mão uma muda de roupa, incluindo fato de banho.

Segurança

  • No carro usar cadeiras auto apropriada e em conformidade com a legislação;
  • Coloque uma pulseira com identificação e ensine um contacto telefónico para uma situação de SOS;
  • Ao chegar ao destino das férias ensinar pontos de referência para não se perderem;
  • Não deixe a criança brincar com chaves de carro, especialmente se a mesma estiver no interior ( já presenciei uma criança fechar-se sozinha lá dentro. É arrepiante!);
  • Igual cuidado com as chaves de portas, pois as crianças adoram experimentar e na maioria das vezes até conseguem fazer o que não imaginávamos que fizessem.

Com esta lista… é só fazer as malas e seguir viagem. Férias em família, um sonho tornado realidade!

Dúvidas e partilhas →  amordeducacao@gmail.com

⇒ Seguir no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

Publicado em crianças, Educação, Histórias, infância, Parentalidade consciente

Fomos “bibliotecar”

IMG_4371Hoje fomos “bibliotecar”… na verdade, podíamos ter escolhido outro programa, mais “fashion”… também podíamos ter ido viajar, correr, comprar ou simplesmente passear, mas decidimos mergulhar no mundo literário.

A biblioteca é um recurso fundamental face aos desafios da sociedade atual, é um espaço mágico onde fantasia, criatividade e conhecimento se reúnem. É um espaço com um enorme potencial para promover aprendizagens. Além do mais, é um espaço que está ao acesso de todas as famílias e crianças. Hoje em dia as bibliotecas têm uma oferta diversificada, através da dinamização de atividades para crianças e famílias.

 

Cada ida à biblioteca tem um encanto especial!  Este é igualmente um espaço emocional, um espaço que me traz recordações da infância e dos meus tempos de estudante. No fundo, talvez por isso, goste tanto de “bibliotecar”. Desde pequenos que os meus filhos são frequentadores deste espaço. A realidade, é que com esta rotina têm vindo a desenvolver o gosto por observar, manusear e desfolhar livros, apreciar ilustrações, escolher livros mediante o seu interesse, conhecer autores, aumentar o vocabulário e o interesse por ler, ouvir histórias, inventar e recriar.

Os livros são excelentes conselheiros, ensinam, permitem pensar com calma e sentir o que nos vai na alma. É precisamente nesta relação com os livros e através de experiências literárias positivas, que as crianças desenvolvem inúmeras competências que irão facilitar o processo de aprendizagem da leitura e da escrita.

Ao contactarem com este contexto valioso, as crianças:

  • desfrutam de momentos lúdicos e de lazer;
  • aprendem a fazer silêncio e a saber escutar;
  • respeitam regras e comportamentos;
  • interagem e colaboram em contexto de grupo;
  • podem escolher, explorar e ser autónomos;
  • encontram respostas para perguntas;
  • desenvolvem a comunicação e diferentes formas de expressar o que sentem.

Deste modo, ao criarmos hábitos ir à biblioteca, na rotina familiar, estamos a oferecer momentos para criar laços, reforçar vínculos e a contribuir para o desenvolvimento da linguagem, da imaginação e da criatividade. Tal prática facilita a integração de valores, atitudes e comportamentos positivos que, por sua vez, possibilitam o conhecimento e compreensão do mundo real. Só vantagem em “bibliotecar”!

Para terminar, recomendo a leitura, em família, do livro ” Uma biblioteca é uma casa onde cabe toda a gente” da Mafalda Milhões. e partilho uma citação de que gosto, particularmente,

“É preciso explicar às pessoas …,
é preciso explicar aos pais e educadores o que eles podem fazer
para preparar a criança para a
leitura, dar-lhe o gosto das
letras, incentivar as suas iniciativas de escrita,
fazer-lhe sentir o lado expressivo da língua.
(…) O futuro da leitura está nas
nossas mãos e na determinação da nossa acção.”

(José Morais, A Arte de Ler)

Dúvidas e partilhas →  amordeducacao@gmail.com

⇒ Segue-nos no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

 

Publicado em crianças, Emoções, familia, infância, Maternidade, Mãe, mindflulness

Amar para sempre!

IMG_1231.JPGO coração supera a razão … amar os nossos filhos incondicionalmente… para sempre!

As primeiras ligações afetivas constituem os alicerces para um relacionamento saudável e de confiança. Não há dúvida, que o amor e o carinho que damos aos filhos, são sementes que irão germinar num solo fértil. Um estudo recente refere que os afetos são vitais para o desenvolvimento do cérebro.

Amar, abraçar, mimar, olhar, tocar são hábitos que promovem o crescimento saudável e equilibrado da criança. Relação que devemos preservar e estimular desde cedo. Através destas interacções a criança constrõem emoções positivas que geram prazer e segurança, estando mais apta para se relacionar com o mundo e partir à descoberta.

Quantas vezes ouvimos dizer que amor a mais só estraga. Sinceramente, não partilho desta opinião! Não devemos confundir a necessidade de afeto com a ausência de limites. O desafio é manter o equilíbrio entre ambos, mostrando sempre aos filhos que os amamos e que por isso não lhes permitimos fazer tudo o que querem. Amar é sinónimo de dar, guiar, transmitir regras e definir limites… é dar possibilidade de escolha, é dar espaço, é respeitar, é proteger. Gestos de amor alimentam a vida e sustentam relações fortes e duradouras. Poder amar os filhos, todos os dias, é uma dádiva da vida!

” Só é possível ensinar uma criança a amar, amando-a.”

(Johann Goethe)

Dúvidas e partilhas →  amordeducacao@gmail.com

⇒ Segue-nos no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

 

Publicado em Coaching Parental, crianças, Educação, familia, infância, Parentalidade consciente

Ser Pai

Design.PNG

Ser pai é um ato de amor, é voltar a ser criança, é ter sempre um sorriso para oferecer.

Ser pai é ser forte sendo fraco, é dar mimos e proteger.

Ser pai é passar noites sem dormir, é embalar, é ser rei sem reinar.

Ser pai é ter super-poderes, é ter asas e voar, é especial, é ser apreciado, é ter sempre alguém com quem brincar.

Ser pai é ser modelo, é orientar, é dar conselhos, ouvir e também escutar.

Ser pai é conversar, explicar e voltar a explicar, compreender sem entender, partilhar e saber perdoar.

Ser pai é dar carinho e instrução, é ter sempre um lugar especial no coração.

Ser pai é isto e muito mais … entre muitas outras coisas… ser pai.

 amordeducacao@gmail.com

⇒ Segue-nos no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

Publicado em brincar, crianças, Educação, infância

Brincar na infância!

IMG_3682
Nos últimos tempos tem-se escrito bastante sobre a importância de brincar para o desenvolvimento da criança. Por vezes, questiono se o tema ecoou na nossa sociedade.

O brincar que é algo natural da infância, está a ser tratado como algo meramente artificial, comandado e orientado pelos adultos. Continuamos a assistir à “adultização” da criança em busca da sua perfeição.

O que mudou nas crianças ao longo do tempo? Terá sido a visão do adulto a respeito da criança? Ou será que a sociedade competitiva assim o exige ?

Lembro-me de quando era criança e brincava no quintal da minha avó. Uma vezes sozinha, outras com uma amiga que vivia na casa ao lado. Lembro-me como se fosse hoje… tinha tachinhos, pratos, colheres, copos e passava horas a fazer comidas com elementos da natureza (folhas, terra, sementes, pedras, água). Há, também tinha bonecas que adorava despir e vestir. Que delícia!

Naquele tempo não havia pressa, a minha avó estava em casa, não tinha telemóvel, não havia Facebook, Twitter nem instagram, os desenhos animados só davam de manhã e ao fim da tarde. Eu não tinha videojogos ou mil e uma atividades para frequentar. Ao contrário daquele tempo, hoje temos tudo e mais alguma coisa, mas contraditoriamente não temos tempo (seja ele físico ou psicológico) para deixar que as nossas crianças experimentem o verdadeiro sabor do brincar. Temos tudo e não temos nada. Queremos tudo e nada satisfaz. Vivemos hoje o que queremos ser amanhã… e as crianças, mestres em imitar-nos vão seguir o modelo. Será por este motivo que encontramos mais crianças stressadas, mal humoradas, perdidas, frustradas, insatisfeitas… crianças que pela carência de tempo de brincadeira em dose certa, não aprendem a lidar com medos, ansiedades e frustrações? Bruner (1983), refere que a brincadeira livre proporciona à criança a oportunidade […] de atrever-se a pensar, a falar e de ser ela mesma”.

Parece-me que um tema, tão falado, continua a não ter a atenção merecida. Diria mais estamos a assistir a uma desresponsabilização em oferecer às crianças os espaços e tempos propícios a brincadeiras de “verdade”. Estamos sempre a tempo… desde que sejamos  capazes de redefinir prioridades e atuar enquanto é tempo.

É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o adulto fruem na sua liberdade de criação.” (Donald Winnicott)

Dúvidas e partilhas →  amordeducacao@gmail.com

⇒ Segue-nos no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

Conceição Pereira 
Amor d`3ducação
Publicado em crianças, Emoções, familia, infância, Maternidade

O Coração da Mãe

Como o tempo passa! O quê? Já passou tanto tempo…parece que foi ontem. É verdade o tempo passou e aquele filho tão desejado, mimado, amado, está a crescer a olhos vistos.

Uma mãe diz estar preparada, mas na verdade (só aqui entre nós) não está. Vai-se preparando, à medida que os sinais mudam, os códigos de conduta, as vontades, as necessidades, enfim à velocidade fluminante do crescimento de um ser maravilhoso que vimos nascer e a quem dedicamos horas e horas da vida.

Como canta Paulo de Carvalho:  Dez anos é muito tempo…”

Se é … mas ao mesmo tempo…não é…tendo em conta o que ainda temos para viver. Hoje especialmente hoje, senti uma saudade do tempo que passou, pela intensidade, pelo amor, pela ternura, pela chama que se acende no coração de uma mãe e que aquece tudo e todos.

Digo frequentemente ao meu filho que o amo incondicionalmente e que sempre estarei ao seu lado. Ele sabe disso! Irei apoiá-lo sem reservas nas suas escolhas e serei um porto seguro, sempre que necessitar. Assim espero…

Como todas as mães, desejo que seja feliz e que, acima de tudo, faça muita gente feliz. Acredito que a essência da vida está precisamente nas coisas simples, nos afetos, nas amizades e na tenuidade e resplandecência do seu sorriso.

Conceição Pereira 
Amor d`3ducação