Publicado em Consumo ecológico, Dicas de Educação, Educação, Regresso às aulas

Preparar o ano letivo: Um desafio para pais e filhos

É chegado o mês em que muitos de nós começamos a preparar mais um ano letivo. Com mais ou menos filhos, esta é uma tarefa que exige planeamento e a implementação de estratégias que permitam rentabilizar meios e recursos.

Cá em casa existe uma prática centrada na partilha e reutilização de materiais, principalmente por questões ambientais. É óbvio que se poupamos podemos sempre beneficiar a criança com algo que quer ou precise, dando-lhe a perceber que tal só foi possível, porque estimou o material e portanto colaborou para a gestão do orçamento familiar. Responsabilizar os nossos filhos e implicá-los nas opções da vida é fundamental para a sua formação.

img_6077.jpg

Com este post,  pretendo partilhar algumas dicas que podem ajudar na preparação de mais um ano letivo. Aqui estão elas:

Aquisição dos manuais escolares (pesquisar se existem apoios ao nível das câmaras ou juntas de freguesia da área de residência). No concelho de Lisboa os manuais escolares serão gratuitos até ao 3º ciclo, para alunos que frequentem o ensino público;

Descontos em manuais escolares: os alunos que frequentam o ensino privado não estão abrangidos pelos apoios estatais. Nestes casos é possível aproveitar descontos com a compra antecipada ou optar por plataformas de troca de manuais;

→ Seleccionar o material do ano anterior: limpar, afiar, forrar, enfim… reciclar o que for possível. Existem formas originais para reciclar e as crianças adoram estas tarefas!

Fazer uma lista verificar o que é mesmo necessário. mesmo não dispondo da lista de material da escola, pode preparar os básicos (mochila, estojo, lápis, afia, borracha, esferográfica, lápis de cor, canetas de feltro, régua e tesoura);

Investir em compras partilhadas (família ou amigos), em armazém ou grande superfície. É uma boa opção pois existem promoções ou packs familiares que ajudam imenso na hora das contas;

etiquetar o material é fundamental para que a criança não o perca ou o encontre mais facilmente. É frequente a partilha ou troca de material entre crianças;

Evitar a escolha de material sofisticado ou com muita “bonecada”, por norma é algo sugerido pelos professores, para evitar desaparecimentos ou distracções nas aulas. Os fabricantes têm vindo a lançar inovações que, na prática, em nada beneficiam a aprendizagem. Queremos que os nossos filhos aprendam ou que brinquem na sala de aula?

Preparar o espaço para estudo e envolver a criança na arrumação e decoração;

Voltar à rotina gradualmente (principalmente nos horários de deitar e acordar), para que o regresso às aulas e ao trabalho se dê com a maior tranquilidade possível. Respeitar o ritmo e a necessidade de cada criança é meio caminho andado para que tudo corra sobre rodas.

Bom regresso às aulas!

Em que podemos ajudar? amordeducacao@gmail.com

Estamos no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

Publicado em Coaching Parental, Educação, familia, infância, KidsCoaching, Regresso às aulas, Rotinas

Escola nova … vida nova!

img_0590
Font: Pinterest

A entrada na escola para os mais pequenos ou a mudança para os mais crescidos, requer das famílias predisposição e estratégias para gerir esta fase!

A adaptação a qualquer mudança requer tempo, paciência e persistência. Especialistas na área comportamental afirmam ser necessários vinte e um dias para instalar uma mudança. Por mais complexo que seja o processo, desistir não é opção.

Já passei inúmeras vezes por este processo, em duas posições diferentes: como mãe e como educadora. Tenho duas experiências das quais retirei diferentes perspectivas. Quer de um lado, quer do outro sempre encontrei as mesmas necessidades e foi isso que me levou a partilhar este texto.

A adaptação à escola é um tema que dá “pano para mangas”. Esta fase traz consigo um acréscimo de responsabilidade e um misto de sentimentos e emoções.

Pais e filhos desde tenra idade são expostos a um teste de bravura e são-lhes exigidas competências, que em momento algum imaginaram.

À criança é exigido um esforço imensurável para gerir a ausência das figuras de referência, a distância física e o vazio emocional. Para ajudar os adultos desejam a pés juntos que não hajam birras nem “cenas”, especialmente até chegarem à escola. Para tal, alguns pais cedem à tentação de fazer promessas, a chantagens e negociações que em nada beneficiam um processo de mudança e de adaptação. Algumas crianças queixam-se de dores, fazem febre ou apresentação sintomas próprios de doença,

Aos pais, por sua vez, é exigido que se comportem adequadamente (como adultos que são), consigam despedir-se com facilidade, sejam fortes, cheguem a horas, que não se esqueçam dos materiais, que os deitem a horas, que transmitam calma e segurança, que não chorem, que mostrem confiança na escola, que não desistam ao primeiro sinal de medo ou desconfiança.

Acredito que é possível uma adaptação tranquila e progressivamente consolidada se forem implementadas algumas estratégias facilitadoras. Assim, é fundamental:

Conversar com a criança sobre o tema ( esta é o início de todo o processo. Aqui a criança começa a pensar sobre o assunto);

Antecipar os momentos que vão chegar, através de treino de comportamentos possíveis. Com esta prática a criança tem a oportunidade de se preparar e ser preparada, sendo-lhe mostrado o que é esperado e de que forma pode gerir sentimentos e emoções;

Visitar a escola uns dias antes é uma ótima forma de tornar real o que possa ter sido falado, reforçando os pontos fortes do espaço e das pessoas (obviamente sendo verdade). As crianças sentem-nos e sabem se estamos a ser verdadeiros;

– Quando se inicia a adaptação à escola , caso existam condições para fazê-lo de forma gradual, o tempo de permanência deve aumentar dia após dia e nunca acontecer o contrário;

Permitir que a criança escolha um objeto para levar na mochila  ( os peluche, foto dos pais, brinquedo). Costumo utilizar uma estratégia que aprendi com uma educadora e que faz sucesso: preparar com a criança uma folha com foto dos pais, irmãos e/ou animais. Esta folha pode ficar na mochila para a criança rever sempre que sentir saudades. Está é uma estratégia de auto-regulação bastante eficaz;

– Nos primeiros quinze dias a um mês a criança deve manter uma rotina o mais tranquila possível, sem grandes eventos ou compromissos. Criar rotinas próximas do período escolar será o ideal;

Confiar na equipa da escola é meio caminho para o sucesso deste processo. Caso tenhas dívidas, pergunta. A partilha e a confiança são elementos fundamentais para o sucesso da integração e o bem-estar de pais e filhos.

Bom ano letivo!

 

♥ amordeducacao@gmail.com ♥

Acompanha as novidades no facebook e Instagram @amor.d3ducacao

Publicado em crianças, Educação, infância, Parentalidade, Regresso às aulas, Rotinas

De volta à escola: O que fazer?

Para muitos esta semana será uma semana de regressos: a casa, à rotina, à escola e ao trabalho. Para algumas crianças será o regresso à escola e o reencontro com os amigos, para outras será o inicio de uma nova jornada, a entrada para a creche, pré-escolar  ou para o primeiro ano do ensino básico.

As mudanças são uma constante da vida e se as vemos como algo positivo, temos parte do sucesso garantido. Alterações que envolvem a dinâmica familiar, são delicadas e por isso requerem tempo para a sua interiorização, preparação adequada e adaptação gradual para pais e filhos.

O tempo é mestre nestes processos e a calma a sua assistente!

Se para nós que já somos “crescidos” não é fácil a “rentrée”, imagine-se o que isto significa para as crianças. Depois de dias, semanas ou meses descontraídos e em família, voltar à agitação de horários e compromissos não é tarefa fácil.

Um dos aspectos centrais especialmente para os mais pequenos é a separação física dos pais ou familiares próximos.

Por onde começar?

Visitar a escola uns dias antes, para conhecer os espaços e as pessoas que lá trabalham. Se tal não for possível passar no local e mostrar o edifício por fora. O importante é mostrar à criança que conhece o caminho e transmitir-lhe a mudança de forma positiva, mencionando aspetos (“esta escola tem muito espaço” , “já viste, fica mesmo perto da nossa casa”, ” As pessoas são muitos carinhosas”)

Conversar com a criança sobre a nova etapa ( “está quase a começar a escola!” ou “estás tão crescido(a) e vais ter muitos amigos” ) e reforçar os sentimentos que nutre por ela (“temos que estar um bocadinho longe uns dos outros, mas continuamos a  gostar de ti daqui até à lua”, “Vamos estar sempre contigo!”).

Envolver a criança na preparação da mochila e dos materiais. As crianças adoram ajudar e participar na escolha, etiquetagem e arrumação dos materiais.

Ler histórias sobre o tema e que permitam abordar os medos e inseguranças que ambos estão a sentir.

Voltar à rotina gradualmente (principalmente nos horários de deitar e acordar), para que o regresso às aulas e ao trabalho se dê com a maior tranquilidade possível. Respeitar o ritmo e a necessidade de cada criança é meio caminho andado para que tudo corra sobre rodas.

Encontrar estratégias para lidar com a ansiedade  e a preocupação excessiva é tarefa dos pais ( sugiro técnicas de Mindfulness). Como mãe, sei que o nosso coração fica apertado, bate a um ritmo louco e passamos o dia a pensar na hora do reencontro. O importante é termos a consciência que o comando está nas nossas mãos. Perder o controlo não é solução! As crianças sentem nas nossas ações e palavras se estamos tranquilos e seguros. Não adianta dizer uma coisa e estar a sentir outra. Demonstrar confiança na escola e nos seus profissionais é imprescindível. Aos poucos vai aprendendo a confiar  e sentir-se mais segura.

Dúvidas e partilhas

♥ amordeducacao@gmail.com ♥

Acompanha as novidades no facebook e Instagram @amor.d3ducacao